Garanta já sua Assinatura. Cupom de 10% desconto "fevereiro10".

Os Agrotóxicos Nos Alimentos Prejudicam sua Saúde?

Muitas pessoas se preocupam com os agrotóxicos, ou também chamados de pesticidas, nos alimentos.

Os agrotóxicos são usados ​​para reduzir os danos às colheitas causados ​​por ervas daninhas, roedores, insetos e germes, o que aumenta a produção de frutas, vegetais e outras colheitas.

Este artigo enfoca os resíduos de agrotóxicos, ou os pesticidas encontrados na superfície de frutas e vegetais quando são comprados na mercearia.

Ele explora os tipos mais comuns de pesticidas usados ​​na agricultura moderna e se seus resíduos afetam a saúde humana.

O Que São Agrotóxicos ou Pesticidas?

No sentido mais amplo, os agrotóxicos ou pesticidas são produtos químicos usados ​​para controlar qualquer organismo que possa invadir ou danificar plantações, lojas de alimentos ou casas.

Como existem muitos tipos de pragas potenciais, existem vários tipos de agrotóxicos/pesticidas. A seguir estão alguns exemplos:

  • Inseticidas. Esses pesticidas reduzem a destruição e contaminação das safras em crescimento e colhidas por insetos e seus ovos.
  • Herbicidas. Também conhecidos como herbicidas, os herbicidas melhoram o rendimento das colheitas.
  • Rodenticidas. Estes são importantes para controlar a destruição e contaminação das plantações por vermes e doenças transmitidas por roedores.
  • Fungicidas. Este tipo de pesticida é especialmente importante para proteger as colheitas e sementes da podridão por fungos.

Por muitos anos, o uso de pesticidas não foi regulamentado. No entanto, o impacto dos pesticidas no meio ambiente e na saúde humana tem estado sob maior escrutínio desde a publicação de “Silent Spring” por Rachel Carson em 1962.

O pesticida ideal destruiria sua praga alvo sem causar nenhum efeito negativo aos humanos, plantas não alvo, animais e meio ambiente. No entanto, os pesticidas não são perfeitos e seu uso pode ter efeitos sobre a saúde e o meio ambiente.

Tipos de Agrotóxicos

Os agrotóxicos podem ser sintéticos, o que significa que são criados em laboratórios industriais ou orgânicos.

Pesticidas orgânicos, ou biopesticidas, são produtos químicos naturais, mas podem ser reproduzidos em laboratórios para uso na agricultura orgânica.

Agrotóxicos Sintéticos

Agrotóxicos sintéticos são projetados para:

  • seja estável
  • tem uma boa vida de prateleira
  • seja fácil de distribuir

Eles também são projetados para serem eficazes no combate a pragas e para ter baixa toxicidade para animais não-alvo e para o meio ambiente.

As classes de pesticidas sintéticos incluem o seguinte:

  • Organofosforados. Esses são inseticidas que têm como alvo o sistema nervoso. Vários deles foram proibidos ou restringidos devido a exposições acidentais tóxicas.
  • Carbamatos. Esse tipo de inseticida afeta o sistema nervoso de forma semelhante aos organofosforados, mas é menos tóxico, pois os efeitos passam mais rapidamente.
  • Piretróides. Eles afetam o sistema nervoso e são uma versão produzida em laboratório de um pesticida natural encontrado em crisântemos.
  • Organoclorados. Esses inseticidas, que incluem o diclorodifeniltricloroetano (DDT), foram amplamente proibidos ou restringidos devido aos efeitos negativos sobre o meio ambiente.
  • Neonicotinóides. Este tipo de inseticida é usado em folhas e árvores e está atualmente sob escrutínio pela Agência de Proteção Ambiental (EPA) para relatos de danos não intencionais às abelhas.
  • Glifosato. Também conhecido como um produto denominado Roundup, esse herbicida se tornou importante no cultivo de lavouras geneticamente modificadas.

Orgânicos ou Biopesticidas

cesta organica abelhas mortas por agrotoxico

A agricultura orgânica usa biopesticidas, ou pesticidas químicos naturais que evoluíram nas plantas.

Existem muitos tipos para delinear aqui, mas a EPA publicou uma lista de biopesticidas registrados.

Além disso, o Departamento de Agricultura dos EUA mantém uma lista nacional de pesticidas sintéticos e orgânicos restritos aprovados.

Aqui estão alguns exemplos de pesticidas orgânicos importantes:

  • Rotenone. Este é um inseticida usado em combinação com outros pesticidas orgânicos. É produzido naturalmente como um dissuasor de besouros por várias plantas tropicais e é notoriamente tóxico para os peixes.
  • Sulfato de cobre. Este pesticida destrói fungos e algumas ervas daninhas. Embora seja classificado como um biopesticida, é produzido industrialmente e pode ser tóxico para os humanos e o meio ambiente em níveis elevados.
  • Óleos hortícolas. Isso se refere a extratos de óleo de várias plantas com efeitos anti-insetos. Eles diferem em seus ingredientes e efeitos colaterais potenciais. Alguns podem prejudicar insetos benéficos como as abelhas.
  • Toxina Bt. Produzida por bactérias e eficaz contra vários tipos de insetos, a toxina Bt foi introduzida em alguns tipos de culturas de organismos geneticamente modificados (OGM).

Como os Níveis de Agrotóxicos nos Alimentos são Regulamentados?

Vários tipos de estudos são usados ​​para entender quais níveis de agrotóxicos são prejudiciais.

Alguns exemplos incluem a medição dos níveis em pessoas que foram acidentalmente expostas a muitos pesticidas, testes em animais e o estudo da saúde a longo prazo das pessoas que usam pesticidas em seus empregos.

Essas informações são combinadas para criar limites para exposições seguras.

Por exemplo, a dose mais baixa de um agrotóxico que causa até mesmo o sintoma mais sutil é chamada de “nível mais baixo de efeito adverso observado” ou LOAEL. O termo “nenhum nível de efeito adverso observado”, ou NOAEL, também é usado às vezes.

Organizações como a Organização Mundial de Saúde, Autoridade Europeia de Segurança Alimentar, Departamento de Agricultura dos EUA e Administração de Alimentos e Medicamentos usam essas informações para criar um limite de exposição que é considerado seguro.

Para fazer isso, eles adicionam um percentual extra de segurança, definindo limites 100-1.000 vezes mais baixos do que LOAEL ou NOAEL.

Quão Confiáveis ​​são os Limites de Segurança?

Existem vários problemas com as ferramentas e procedimentos usados ​​para determinar os limites de segurança para o uso de pesticidas.

Para começar, alguns pesquisadores apontaram que as agências reguladoras freqüentemente contam com dados incompletos ou inconsistentes para estabelecer limites de segurança de pesticidas.

De acordo com um relatório, a EPA originalmente definiu o NOAEL para clorpirifos, um inseticida controverso, em 0,03 mg / kg. No entanto, depois que outra análise foi realizada usando dados adicionais que foram omitidos do relatório inicial, os pesquisadores determinaram que o NOAEL correto era na verdade muito mais baixo, de 0,014 mg / kg.

Muitas autoridades regulatórias também dependem de dados fornecidos por estudos financiados pela indústria para determinar os níveis de toxicidade, que muitas vezes são enganosos e podem ter uma maior probabilidade de viés.

Outro problema com os limites de segurança de pesticidas é que alguns pesticidas – sintéticos e orgânicos – contêm metais pesados ​​como o cobre, que se acumulam no corpo com o tempo.

Na verdade, um estudo com 162 pessoas descobriu que os produtores de vinhedos tinham níveis 2–4 vezes maiores de metais pesados ​​como chumbo, zinco e cobre em seu sangue devido ao uso de pesticidas em comparação com um grupo de controle.

Por outro lado, um estudo de solo na Índia descobriu que o uso de pesticidas não resultou em níveis mais elevados de metais pesados ​​do que aqueles encontrados em solos sem pesticidas.

Outra crítica é que alguns dos efeitos crônicos dos pesticidas na saúde mais sutis podem não ser detectados pelos tipos de estudos usados ​​para estabelecer limites de segurança.

Por esse motivo, o monitoramento contínuo dos resultados de saúde em grupos com exposições excepcionalmente altas é importante para ajudar a refinar os regulamentos.

As violações desses limites de segurança são relativamente incomuns. Um estudo canadense avaliou a quantidade de glifosato em 3.188 amostras de frutas, vegetais, grãos e alimentos para bebês e descobriu que apenas 1,3% estavam acima do nível máximo de resíduo.

Além disso, um relatório de 2015 da União Europeia concluiu que 97,2% das amostras de alimentos estavam isentas de resíduos de pesticidas quantificáveis ​​ou estavam dentro das quantidades legalmente permitidas.

Quais São os Efeitos Para a Saúde da Alta Exposição a Agrotóxicos?

cesta organica trator aplicando agrotoxico

Tanto os biopesticidas sintéticos quanto os orgânicos têm efeitos prejudiciais à saúde em doses maiores do que as normalmente encontradas em frutas e vegetais.

Por exemplo, uma revisão descobriu que a exposição a pesticidas pode estar associada a um maior risco de doença de Parkinson e pode alterar genes específicos envolvidos em seu desenvolvimento.

Da mesma forma, uma análise de sete estudos também descobriu que a exposição a pesticidas pode estar associada a um risco aumentado de doença de Alzheimer.

Além do mais, algumas pesquisas também mostram que o uso de pesticidas pode estar associado a certos tipos de câncer.

De acordo com um estudo com mais de 30.000 esposas de aplicadores de pesticidas, o aumento da exposição a organofosforados foi associado a um risco significativamente maior de cânceres relacionados a hormônios, como câncer de mama, tireóide e ovário.

Outra revisão de estudos em humanos, animais e tubos de ensaio teve resultados semelhantes, relatando que a exposição a pesticidas organofosforados como malatião, terbufos e clorpirifós pode estar associada a um risco maior de desenvolver câncer de mama ao longo do tempo.

Alguns estudos também descobriram que o uso de pesticidas pode estar vinculado a um risco aumentado de vários outros tipos de câncer, incluindo câncer de próstata, pulmão e fígado.

Quais São os Efeitos da Exposição a Pesticidas em Crianças?

Estudos sugerem que o uso de pesticidas pode ter vários efeitos negativos em crianças em particular.

Na verdade, exposições acidentais a altos níveis de pesticidas em crianças estão associadas a câncer, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e autismo.

Além disso, de acordo com uma revisão, mesmo os baixos níveis de exposição a pesticidas podem afetar negativamente o desenvolvimento neurológico e comportamental em crianças.

Um estudo mais antigo envolvendo 1.139 crianças descobriu um aumento de 50–90% na chance de TDAH em crianças com os níveis mais altos de pesticidas na urina em comparação com aquelas com os níveis mais baixos de urina.

Neste estudo, não ficou claro se os pesticidas detectados na urina eram de produtos hortifrutigranjeiros ou outras exposições ambientais, como viver perto de uma fazenda.

Outro estudo mostrou que a exposição pré-natal a certos tipos de pesticidas estava associada a uma chance maior de transtorno do espectro do autismo, especialmente se a exposição ocorresse no primeiro ano de vida.

Por outro lado, um estudo de 2013 não mostrou efeitos negativos à saúde em 350 bebês nascidos de mulheres com níveis mais altos de pesticidas na urina durante a gravidez, em comparação com mães com níveis mais baixos de pesticidas.

Qual a Quantidade de Agrotóxicos em Alimentos?

A Organização Mundial da Saúde desenvolveu uma revisão abrangente dos pesticidas.

Um estudo mostrou que 3% das maçãs polonesas continham níveis de pesticidas acima do limite legal de segurança para pesticidas em alimentos. No entanto, os níveis não eram altos o suficiente para causar danos, mesmo em crianças.

Em revisão publicada pela União Europeia, aproximadamente 2,8% das amostras de alimentos testadas continham resíduos de agrotóxicos acima das quantidades legalmente permitidas.

Da mesma forma, um relatório canadense descobriu que 1,3% das amostras de alimentos que eles testaram estavam acima do nível máximo de resíduos de glifosato.

Ainda assim, como há vários problemas com os limites de segurança que as organizações reguladoras estabeleceram, não está claro como a quantidade de pesticida encontrada nos alimentos pode impactar a saúde a longo prazo.

Os níveis de pesticidas podem ser reduzidos cozinhando ou processando alimentos. Descascar ou aparar frutas e vegetais também pode remover resíduos de pesticidas da pele externa, embora também possa diminuir o valor nutricional.

Um estudo de revisão de 2010 descobriu que os níveis de pesticidas foram reduzidos em 10–80% por uma variedade de métodos de cozimento e processamento de alimentos.

Outra análise descobriu que lavar com água da torneira (mesmo sem sabões ou detergentes especiais) reduz os níveis de pesticidas em 60-70%.

Ainda assim, lavar os produtos com água pode não ser o método mais eficaz para remover resíduos de pesticidas, pois os pesticidas geralmente penetram profundamente em frutas e vegetais e podem exigir o uso de soluções de limpeza comerciais.

Existem Menos Agrotóxicos em Alimentos Orgânicos?

Não é de surpreender que os produtos orgânicos tenham níveis mais baixos de agrotóxicos sintéticos, o que se traduz em níveis mais baixos de agrotóxicos sintéticos no corpo.

Um estudo em mais de 4.400 adultos mostrou que aqueles que relataram uso pelo menos moderado de produtos orgânicos tinham níveis mais baixos de pesticidas sintéticos na urina.

No entanto, os produtos orgânicos contêm níveis mais elevados de biopesticidas.

Algumas pessoas argumentam que os pesticidas sintéticos podem ser mais prejudiciais ao longo do tempo porque são projetados para ter uma vida útil maior e podem durar mais no corpo e no meio ambiente.

No geral, o dano potencial de biopesticidas sintéticos e orgânicos depende do pesticida específico e da dose.

Existem Menos Pesticidas em OGM?

OGMs são culturas às quais foram adicionados genes para aumentar seu crescimento, versatilidade ou resistência natural a pragas.

Historicamente, as plantas selvagens foram criadas para ter melhores características para a agricultura, plantando seletivamente apenas as plantas mais ideais disponíveis.

Esta forma de seleção genética tem sido usada em todas as plantas e animais no suprimento de alimentos do nosso mundo.

Com a reprodução, as mudanças são feitas gradualmente ao longo de muitas gerações, e exatamente por que uma planta se torna mais resistente é um mistério. Enquanto uma planta é selecionada para uma determinada característica, a mudança genética que causou essa característica não é visível para os criadores.

Os OGM aceleram esse processo usando técnicas científicas para dar à planta-alvo uma característica genética específica. O resultado esperado é conhecido de antemão, como na modificação do milho para produzir a toxina Bt do inseticida.

Como as safras OGM naturalmente têm maior resistência, elas requerem menos pesticidas para uma agricultura bem-sucedida.

Isso provavelmente não beneficia as pessoas que comem produtos, uma vez que o risco de pesticidas nos alimentos é baixo. No entanto, os OGM podem reduzir os efeitos nocivos à saúde ambiental e ocupacional de biopesticidas sintéticos e orgânicos.

Múltiplas revisões abrangentes de estudos em humanos e animais concluem que há evidências limitadas para sugerir que os OGMs são prejudiciais à saúde.

Foi levantada alguma preocupação de que os OGMs resistentes ao glifosato (Roundup) incentivem o uso desse herbicida em níveis mais elevados.

Embora um estudo tenha sugerido que altos níveis de glifosato podem promover câncer em animais de laboratório, esses níveis eram muito mais altos do que aqueles consumidos em produtos OGM e mesmo aqueles de exposições ocupacionais ou ambientais.

Ainda assim, embora as pesquisas sobre os efeitos do glifosato no câncer sejam misturadas, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer o classificou como um provável carcinógeno humano.

Devemos Evitar Alimentos que Usam Agrotóxicos?

cesta organica verduras legumes organicos

Muitas pessoas podem escolher evitar pesticidas por razões ambientais ou devido a preocupações sobre os riscos potenciais de longo prazo para a saúde da exposição a agrotóxicos.

Limitar a exposição a pesticidas pode ser especialmente importante para crianças, pois os pesticidas podem ter efeitos prejudiciais sobre o crescimento e o desenvolvimento.

Cozinhar e descascar os produtos pode ser uma maneira simples de diminuir os níveis de pesticidas. Você também pode tentar cultivar suas próprias frutas e vegetais em casa ou fazer compras em mercados de produtores locais e consultar seus métodos de controle de pragas.

A cada ano, o Grupo de Trabalho Ambiental (EWG) também publica “The Dirty Dozen”, que é uma classificação dos níveis de pesticidas de frutas e vegetais populares para ajudar os consumidores a fazerem escolhas mais informadas.

No entanto, tenha em mente que há evidências científicas esmagadoras de que comer muitas frutas e vegetais traz muitos benefícios à saúde, principalmente sendo orgânico.

Portanto, você não deve evitar comer frutas e vegetais frescos por completo devido a preocupações com a exposição a pesticidas.

Em vez disso, fazer escolhas inteligentes e praticar a preparação adequada dos alimentos pode ajudá-lo a aproveitar os muitos benefícios das frutas e vegetais, ao mesmo tempo que minimiza os riscos associados aos agrotóxicos.

Conclusão

Os pesticidas são comumente usados ​​na produção moderna de alimentos para melhorar o rendimento das colheitas, controlando ervas daninhas, insetos e outras ameaças à produção.

Além disso, existem problemas com muitos dos métodos usados ​​para estabelecer limites de segurança para pesticidas no abastecimento de alimentos e os efeitos de longo prazo da exposição a pesticidas não são claros.

Ainda assim, frutas e vegetais são altamente nutritivos e oferecem muitos benefícios à saúde quando consumidos como parte de uma dieta balanceada, principalmente sendo orgânicos.

Fazer escolhas de compra mais inteligentes, cozinhar e descascar produtos e optar por frutas e vegetais que contenham menor quantidade de resíduos de pesticidas são algumas estratégias que você pode usar para ajudar a reduzir sua exposição aos pesticidas.

Aproveite e peça agora mesmo produtos sem agrotóxicos.

cesta organica agricultor aplicando uso de agrotoxico

Leia Também

Quero receber Ofertas por email.